VOLTAR

COMO A LEI GERAL DE PROTEÇÃO DE DADOS FACILITARÁ O COMÉRCIO INTERNACIONAL BRASILEIRO?

11/29/2018

A PRESCRIÇÃO DA AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE DANO CONCORRENCIAL

11/26/2018

COMÉRCIO EXTERIOR E ELEIÇÕES

10/27/2018

UNILEVER CONDENADA NO CADE POR IMPOSIÇÃO DE RESTRIÇÕES VERTICAIS (PRÁTICAS DE EXCLUSIVIDADE)

10/24/2018

NOVAS REGRAS PARA A CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA

09/17/2018

PRINCIPAIS PONTOS DA LEI GERAL DE PROTEÇÃO DE DADOS

08/17/2018

A FUTURA LEI GERAL DE PROTEÇÃO DADOS BRASILEIRA

06/27/2018

O STATUS DA CHINA COMO ECONOMIA DE MERCADO PARA FINS DE DEFESA COMERCIAL

05/25/2018

O BRASIL E A OCDE: INTEGRAÇÃO POSSÍVEL?

04/20/2018

REVISÃO DE DECISÃO POR FALTA DE INDIVIDUALIZAÇÃO DA CONDUTA

01/24/2018

O CADE E O PODER JUDICIÁRIO: ATOS VINCULADOS

12/22/2017

CONSELHEIROS INDEPENDENTES E CONTROLE ANTITRUSTE

11/23/2017

MULTAS DO CADE: DOIS PROJETOS E VANTAGEM AUFERIDA

10/16/2017

AS MULTAS DO CADE E SEUS LIMITES

08/14/2017

ACORDOS DE CODESHARE DEIXAM DE SER CONTRATOS ASSOCIATIVOS

06/30/2017

A LIVRE INICIATIVA E OS PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS

06/01/2017

DÚVIDAS NA APLICAÇÃO DAS MULTAS DO CADE

04/26/2017

DENÚNCIA ANÔNIMA E CARTEL: EUROPA E BRASIL

04/26/2017

RAMO DE ATIVIDADE E O (DES)USO DA RESOLUÇÃO N. 3/2012

11/28/2016

A PIPOCA E O DIREITO

10/28/2016

O CADE E A INFRAÇÃO DE GUN JUMPING

09/23/2016

NOVO GUIA DE ATOS DE CONCENTRAÇÃO HORIZONTAL DO CADE

08/30/2016

RESERVAS DE HOTÉIS E ANTITRUSTE

07/22/2016

O EMPRÉSTIMO DA PROVA NO PROCESSO ADMINISTRATIVO

07/11/2016

NÃO HÁ UBERPOLÊMICA CONCORRENCIAL

05/23/2016

CARTÉIS E DEFINIÇÃO DE MERCADO

04/15/2016

PERÍCIA NO PROCESSO NO CADE DEVE FICAR MAIS SIMPLES E ACESSÍVEL

02/14/2016

RESPONSABILIDADE CONCORRENCIAL: OBJETIVA OU SUBJETIVA?

11/30/2015

O CASO DOS ELETRODOS DE GRAFITE – UM ACORDO NO LIMBO

11/16/2015

REMÉDIOS EM ATOS DE CONCENTRAÇÃO

10/06/2015

ATOS DE CONCENTRAÇÃO: CADE PODE EXIGIR NOTIFICAÇÃO DO QUE NÃO É NOTIFICÁVEL

07/27/2015

COMPLIANCE – UMA VISÃO AMERICANA

07/01/2015
São Paulo 14.12.2018
PUBLICAÇÕES
RESPONSABILIDADE CONCORRENCIAL: OBJETIVA OU SUBJETIVA?
Al. Santos, 787, 8º andar
São Paulo/SP - Brasil - 01419-001

Responsabilidade Concorrencial: Objetiva Ou Subjetiva?

Mauro Grinberg

Tratamos aqui de classificar a responsabilidade concorrencial como objetiva ou subjetiva, isto é, independente ou não da vontade (leia-se dolo ou culpa) do suposto infrator. Em recente parecer a Douta Procuradoria (ProCade) do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) declarou expressamente: “Sempre importante ressaltar o caráter objetivo da responsabilidade oriunda da subsunção de posturas e condutas aos tipos elencados (ou seja, pouco importando a configuração de dolo ou culpa do agente)”.
Reconhecemos que a possível sustentação da tese da ProCade pode estar no art. 36 da Lei 12.529, de 2011: “Constituem infração da ordem econômica, independentemente de culpa (…)”. Aceita-se que, afastado o elemento culposo, estaria também afastado o elemento doloso, já que a culpa é menor do que o dolo.
Todavia, o § 4º do art. 173 da Constituição Federal estabelece claramente: “A lei reprimirá o abuso do poder econômico que vise à dominação dos mercados, à eliminação da concorrência e ao aumento arbitrário de lucros”. Lembremos que esta é a matriz constitucional da lei invocada, sendo certo que originalmente falava-se em abuso do poder econômico e não em infração da ordem econômica, que na verdade são expressões que dizem quase a mesma coisa.
Vemos que a Constituição, no artigo acima referido, usa a expressão “que vise a”, ou seja, há a exigência do objetivo, da vontade, da determinação de praticar um ato para que este seja considerado abuso do poder econômico ou infração da ordem econômica. Assim, temos defendido que a expressão “independentemente de culpa” – que também constou da lei anterior – é inconstitucional e consequentemente, a responsabilidade por infração da ordem econômica é subjetiva.