O Brasil e a OCDE: integração possível?

20 de abril, 2018


[:pt]O Brasil e a OCDE: integração possível[:en]

Brazil and The OECD: Is Integration Possible?

What has Brazil been doing to promote its greater integration into the world economy?

 

Marília Rodrigues Borges Andrade

On February 28, 2018, the Secretary General of the OECD presented an Economic Report on Brazil during a visit to Brasilia. One of the main recommendations of the document is a greater regional and global integration. The OECD assessed that, in recent years, the economic growth and the implementation of social policies have helped a large part of the population that were previously excluded, to improve their living conditions, including enabling their higher share in the market.
However, these achievements have suffered a strong impact from the corruption in the country that has ended up discouraging investments in various sectors of society, causing a significant increase in unemployment levels. On the other hand, this period that has been marked by political instability has shown that Brazil has strong institutions that have remained active, even among scandals and shocks that have threatened the entire governmental structure.
The most turbulent time now being in the past, the current moment is convenient to reflect on the necessary changes to promote our economic development.
One of the points raised by the OECD for Brazil to favor this environment of change is its greater participation in the world economy, considering that, in comparison to other emerging countries’ economies, and even among other Latin American countries, such as Colombia, Mexico, and Chile, Brazil has a low level of participation in international trade and applies significantly higher commercial barriers.
The report recommends the reduction on import tariffs of capital goods, in order to increase added value to the products and to improve companies’ productivity, which would also contribute to a more significant participation of Brazilian companies in the export of manufactured goods.
Therefore, the OECD indicates the signing of free trade agreements and harmonization of internal rules with international trade standards, which would allow greater access to Brazilian products for different markets and the entry of foreign products.
Given this context, the current measures reflect an environment of changes that will allow Brazil greater integration into the world economy.
As for the signing of free trade agreements, there is a dependence on Mercosul partners, since block decision 32/00 does not allow independent negotiations, and all trade agreements must be negotiated together.
Currently, Mercosul has four (4) extra-regional agreements (Israel, India, SACU, Egypt), in addition to those negotiated with ALADI partners.
Moreover, after years of negotiations, the much-anticipated Mercosul-European Union agreement finally seems to be drawing near to a conclusion with speculation that this may still happen this semester. Other negotiations, such as the one that happened last month with Canada, as well as the intention to negotiate with EFTA (Switzerland, Norway, Iceland, and Liechtenstein), South Korea, Tunisia, and ASEAN (Brunei Darussalam, Cambodia, Indonesia, Laos, Malaysia, Myanmar Philippines, Singapore, Thailand, and Vietnam).
Intra-bloc trade relations also deserve attention, as they represent a large share of exports, and according to the OECD, if there were greater regulatory convergence, they could be even better used. In this regard, Mercosul approved Resolution 45/17 on the revision and elaboration of the technical standards and the conformity assessment procedures, establishing specific deadlines for countries to issue their decisions, making the process even faster.
Regarding the adoption of regulations related to regulatory convergence exclusively in Brazil, at the end of last year a proposal was launched for the First Foreign Trade Regulatory Agenda, monitored by Camex, which intends to update or repeal several measures that hinder foreign trade activities. Diverse regulatory agencies and ministries involved have presented their norms and regulations that would need to be modernized in order for Brazil to adopt the best global practices. Some of these agencies have announced positive changes aimed at harmonization of standards and trade facilitation.
For example, earlier this year, Anvisa published an amendment to a resolution on the procedure for importing health-related goods (RDC 81/2008). A number of import licensing requirements were eliminated, which increased storage costs for importers. The agency is also developing a project with Mexico’s Cofemer (Federal Regulatory Improvement Commission) to exchange information on good regulatory practices and the effectiveness of its implementations. It has recently published several proposals for public consultations on the labeling and composition of pesticides, which were indicated in the Regulatory Agenda for its updates, in accordance with the best global practices. It also signaled the opening of a public consultation on the elimination of registration of certain cosmetics and toiletries, considering that in several countries such as Canada, the United States, Europe, and Japan are exempt.
Under the Ministry of Agriculture, Livestock and Supply, Brazil was accepted in the OECD Fruit and Vegetable Committee, which means that Brazilian production is in line with the provisions of this institution. Therefore, the country is aligned with the best global practices and thus intends to continue. In addition, stricter inspection standards have been implemented in the inspection of products of animal origin, in order to avoid fraud and so that Brazilian products would have sanitary regulations compatible with the other countries to which exports.
Brazil has shown a greater interest in participating in foreign trade, distancing itself from protectionist measures. The development of free trade agreement negotiations, the reduction of tariff barriers, the regulatory convergence, and the implementation of the trade facilitation agreement are good examples of initiatives aimed at better integration into the global economy. Certainly, there is enormous potential for integrating large flows of international trade, yet it must continue to be important for its effectiveness, even if some sectors are impacted.
The free trade agreements, especially Mercosul-EU, will pose many challenges for some Brazilian companies that will have to face competition from countries that offer products with high added value at reduced prices. This result would require large investments in research and constant improvement of the business environment in Brazil. This openness to the international market should not mean threats, but rather opportunities for development and innovation.
There is still much more to be improved, and Brazilian companies can benefit from the reduction of costs and bureaucracy in their production. However, it must be ensured that the opening of other markets for Brazilian products is equivalent, so that it results in a win-win situation. Brazil has a lot to offer to the international community, and the rupture with protectionist measures will bring better economic performance and prosperity to people.
 
Marília Rodrigues Borges Andrade is Specialist in International Relations for University of Brasília and lawyer in Grinberg Cordovil Advogados[:pb]

O que o Brasil tem feito para promover sua maior integração à economia mundial?

 
Marília Rodrigues Borges Andrade
 
Em 28 de fevereiro de 2018, durante uma visita a Brasília, o Secretário Geral da OCDE apresentou Relatório Econômico sobre o Brasil. Dentre as recomendações principais do documento, está a maior integração regional e global. A OCDE avaliou que, nos últimos anos, o crescimento econômico e a implantação de políticas sociais ajudaram grande parte da população a melhorar sua condição de vida, possibilitando, inclusive, maior participação no mercado por estes cidadãos anteriormente excluídos.
Entretanto, estas conquistas sofreram forte impacto da corrupção no país, que acabou desestimulando investimentos em diversos setores da sociedade, causando aumento significativo nos índices de desemprego. Por outro lado, este período marcado pela instabilidade política, demonstrou que o Brasil possui instituições fortes que se mantiveram atuantes, mesmo diante de escândalos e choques que ameaçaram toda a estrutura governamental.
Passada a turbulência mais severa, o momento atual é propício para reflexões sobre as mudanças necessárias ao nosso desenvolvimento econômico.
Um dos pontos levantados pela OCDE para que o Brasil favoreça este ambiente de mudanças é a maior participação na economia mundial, sendo que, em comparação com economias de países emergentes, e mesmo de países latino-americanos, como Colômbia, México e Chile, o Brasil possui baixa participação no comércio internacional e aplica barreiras comerciais significativamente maiores.
O relatório recomenda a redução das tarifas de importação de bens de capital, para que se aumente o valor agregado aos produtos e melhore a produtividade das empresas, contribuindo inclusive, para que as empresas brasileiras possam participar de modo mais relevante nas exportações de produtos manufaturados.
Para tanto, a OCDE indica a celebração de acordos de livre comércio e a harmonização das regras internas com padrões internacionais em comércio, o que permitiria maior facilidade de acesso dos produtos brasileiros a diversos mercados e a entrada de produtos estrangeiros.
Diante desse contexto, analisa-se, se as medidas atuais refletem um ambiente de mudanças que permitirá ao Brasil sua maior integração à economia mundial.
Quanto a celebração de acordos de livre comércio, há uma dependência dos parceiros do Mercosul, vez que a decisão 32/00 do bloco não permite negociações de forma independente, e todos os acordos comerciais devem ser negociados de forma conjunta.
Atualmente, o Mercosul possui 4 acordos extra regionais em vigor (Israel, Índia, SACU, Egito) além daqueles negociados com os parceiros do ALADI.
Além do mais, o tão esperado acordo Mercosul-União Europeia, após anos de negociações, finalmente parece estar próximo de uma conclusão, com especulações para que isto ocorra ainda neste semestre. Nota-se também, o surgimento de outras negociações, como a que aconteceu mês passado com o Canadá, além da pretensão de negociar com EFTA (Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein), Coreia do Sul, Tunísia e ASEAN (Brunei Darussalam, Camboja, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar Filipinas, Singapura, Tailândia e Vietnã).
As relações comerciais intrabloco também merecem devida atenção, pois representam grande parcela das exportações e segundo a OCDE, poderiam ser ainda melhor aproveitadas se houvesse maior convergência regulatória. Neste sentido, o Mercosul aprovou Resolução 45/17 sobre a revisão e elaboração de normas técnicas e procedimentos de avaliação de conformidade, estabelecendo prazos específicos para os países emitirem suas decisões, tornando o processo mais célere.
Quanto a adoção de normas relacionadas a convergência regulatória no Brasil somente, ao final do ano passado lançou-se proposta de Primeira Agenda Regulatória de Comércio Exterior, monitorada pela Camex, a qual pretende atualizar ou revogar diversas medidas que dificultam as atividades de comércio exterior. Diversas agências reguladoras e ministérios envolvidos apresentaram suas normas e regulamentações que precisariam ser modernizadas para que o Brasil adote as melhores práticas globais. Alguns destes órgãos vêm anunciado alterações positivas visando a harmonização de normas e facilitação de comércio.
Por exemplo, no início deste ano, a Anvisa publicou alteração em resolução sobre procedimento de importação de bens relacionados a saúde (RDC 81/2008). Foram eliminadas diversas exigências para obtenção de licença de importação, as quais aumentavam os custos de armazenamento para os importadores. A agencia também está desenvolvendo um projeto com a Cofemer (Comisión Federal de Mejora Regulatoria) do México visando trocar informações sobre boas práticas regulatórias e a eficácia de suas implementações. Ainda, recentemente, publicou diversas propostas de consultas públicas sobre rotulagem e composição de produtos agrotóxicos, as quais foram indicadas na Agenda Regulatória para suas atualizações, de acordo com as melhores práticas globais e, também, sinalizou a abertura de consulta pública sobre eliminação de registro de certos cosméticos e produtos de higiene pessoal, considerando que em diversos países como Canadá, Estados Unidos, Europa e Japão são dispensados.
No âmbito do Ministério da Agricultura, Pecuária e abastecimento, o Brasil foi aceito na Comissão de Frutas e Hortaliças da OCDE, o que significa que a produção brasileira está em consonância com o previsto nesta instituição e, portanto, o país está alinhado com as melhores práticas globais e assim pretende continuar. Ademais, vem se implementando normas de fiscalização mais rígidas na inspeção de produtos de origem animal, para que se evite fraudes e os produtos brasileiros tenham regulação sanitária compatível com os demais países para os quais exporta.
O Brasil tem sinalizado maior interesse em participar do comércio exterior, distanciando-se de medidas protecionistas. O desenvolvimento de negociações de acordos de livre comércio, a redução de barreiras tarifárias, a convergência regulatória e a implementação do acordo de facilitação de comércio são bons exemplos de iniciativas que visam melhor integração à economia global. Certamente, há um enorme potencial para integrar os grandes fluxos de comércio internacional, porém deve-se continuar conferindo importância para sua efetivação, mesmo que alguns setores sejam impactados.
Os acordos de livre comércio e principalmente, o Mercosul -UE significará muitos desafios para algumas empresas brasileiras que terão de enfrentar a concorrência de países que ofertam produtos com alto valor agregado a preços reduzidos. Este resultado demandaria fortes investimentos em pesquisa e constante melhoria do ambiente de negócios no Brasil. Isto é a abertura ao mercado internacional não deve significar ameaças, mas sim oportunidades de desenvolvimento e de inovação.
Ainda há muito o que se aprimorar e as empresas brasileiras poderão se beneficiar da redução de custos e burocracia em suas produções, entretanto deve-se assegurar que a abertura de outros mercados para os produtos brasileiros seja equivalente, para que resulte numa situação de win-win. O Brasil tem muito para oferecer a comunidade internacional e a ruptura com medidas protecionistas acarretará melhor desempenho econômico e prosperidade para o povo.
 
Marilia Rodrigues Borges Andrade é Especialista em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e advogada em Grinberg Cordovil Advogados[:]